quarta-feira, 29 de março de 2017

PARAIBANO SEDIARÁ PRIMEIRA AGRITEC DO "MÉDIO SERTÃO MARANHENSE"



 NP&R.com
O Governo do Estado, por meio do Sistema SAF, que inclui órgãos como a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) e a Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MA), prefeitura de Paraibano e os movimentos sociais (MIQCB, Fetraf-MA, Fetaema, Aconeruq, MST), realizarão a primeira Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec), Território Sertão Maranhense, em Paraibano.

A Agritec integra um conjunto de ações para o desenvolvimento do setor rural em todo o estado e tem o objetivo de levar conhecimento e acesso às novas tecnologias fáceis e de baixo custo aos agricultores familiares do Maranhão. Esta será a 10ª edição da feira, que em dois anos com a realização de nove Agritecs capacitaram 12.543 agricultores familiares e movimentaram mais de R$ 13 milhões em comercialização e contratos com instituições financeiras.

Este ano, serão realizadas cinco Agritecs nos municípios de Paraibano (território Sertão Maranhense), Barra do Corda (território Centro do Maranhão), Santa Luzia (território vale do Pindaré), Itapecuru Mirim (território Vale do Itapecuru) e Cururupu (território Baixada Ocidental).

“Daremos total apoio ao governo do estado e entidades envolvidas na realização da AGRITEC em nosso município”. disse o prefeito Zé Hélio.

Agritec será realizada entre 6 e 8 de abril, no Parque de Vaquejada Antônio Pedro, em Paraibano/MA.

terça-feira, 28 de março de 2017

PARAIBANO: “VEREADOR QUE NÃO ACOMPANHA PREFEITO TEM O CAMINHO CURTO..” Diz Murilo Ribeiro


O vereador anunciou sua adesão, e" soltou a língua" / presença maciça de público na sessão

Vereador Murilo Ribeiro, deixa oposição e se alia ao grupo do prefeito em Zé Hélio


 Por  - Amaury Carneiro
Agora com 8 (oito) vereadores governista a base de apoio do prefeito de Paraibano, Zé Hélio (PT), na Câmara Municipal está mais fortalecida com a adesão do vereador Murilo Ribeiro (PSL), que na última semana, aderiu ao grupo. Ontem segunda-feira (27) durante sessão ordinária daquela casa, Murilo, fez o anúncio oficial de que a partir daquele momento passava a integrar a bancada da situação.

O vereador usou a tribuna e relatou sobre sua trajetória política municipal e ressaltou que a família do atual prefeito sempre o ajudou, principalmente na eleição para seu primeiro mandato (2013/2016), também disse que aceitou o convite do prefeito para aliar-se ao grupo, porque está em busca de crescimento constante e que precisa da prefeitura para realizar um bom trabalho junto à população.

“...tenho todos os motivos para está ao lado desse grupo, desse governo, cumprir minha palavra com o antigo grupo, estou voltando para o lado do qual fui eleito pela primeira vez... e digo mais, o vereador que trabalha sozinho, sem o apoio do prefeito tem o caminho curto”. Completou o vereador Murilo.

O anúncio do apoio do vereador Murilo, foi bastante comemorado pelos demais colegas governistas e pelo próprio prefeito Zé Hélio, pois  significa fortalecimento da maioria na câmara e mais facilidade na aprovação de projetos de interesse do Executivo.

MAIS DO MESMO...

Vale lembra que Murilo Ribeiro, foi muito criticado na legislação passada quando deixou a oposição para  aliar-se ao grupo político da então prefeita Aparecida Furtado.

MAIS POLÊMICA...

A sessão da Câmara foi muito bem prestigiada por populares, que mais uma vez lotaram o plenário, muitos deles foram à sessão a espera também de outro pronunciamento, o do vereador Dênis Nascimento (PMN), parte da plateia ali presente esperava que Dênis, se pronunciasse sobre a polêmica de ter ou não acionado à justiça, proibindo o prefeito de distribuir  dinheiro às famílias de baixa renda para fazerem a “feira” aos sábados. Porém o vereador se calou, antes, na período da manhã,  Dênis foi à rádio local e prestou alguns esclarecimento, mas o povo queria mesmo ouvi-lo era na tribuna da câmara, o motivo da desistência ainda não se sabe.

Vamos que vamos!

segunda-feira, 27 de março de 2017

RIDÍCULO: BRASIL É ULTRAPASSADO POR ALBÂNIA, GEÓRGIA E AZERBAIJÃO EM ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO



 ISSO RETRATA AS CONSEQUÊNCIAS DE UM DOS PAÍSES MAIS CORRUPTOS DO PLANETA TERRA.

 Má Qualidade
   de Vida

O Brasil foi ultrapassado por Albânia, Geórgia e Azerbaijão na edição 2016 do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações Unidas, e ficou em 79° lugar em uma lista com 188 nações. A ilha caribenha de São Cristóvão e Navis também registrou IDH superior ao do Brasil no ranking.

O índice, calculado anualmente pela ONU, serve como parâmetro de bem-estar da população e considera fatores como expectativa de vida, média de anos de estudo e renda nacional bruta per capita. A edição divulgada hoje considera dados de 2015.

De acordo com o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) divulgado  terça-feira (21), o Brasil avançou em alguns fatores e regrediu em renda.

A queda acentuada na renda bruta per capita dos brasileiros (toda a renda do país dividida pela população total) é o principal ponto negativo. Ela caiu de US$ 14.858 (em paridade de poder de compra) para US$ 14.145.

Apesar da queda, o documento identifica certos avanços no Brasil, como um leve aumento na expectativa de vida da população – que passou de 74,5 para 74,7 anos – e também nos anos de estudo, indicador que subiu de 7,7 para 7,8 anos. A expectativa de anos de estudo se manteve estável, em 15,2 anos.

Em nota, o governo brasileiro afirmou que os dados da ONU “ilustram a severidade da crise da qual apenas agora o país vai saindo”.

“O resultado do conjunto de transformações em curso sob a liderança do presidente Michel Temer deve refletir-se, ao longo das próximas edições do índice, em uma melhoria, tanto absoluta, como relativa de nosso número”, afirmou a Secretaria de Comunicação da Presidência.

Trajetória do Brasil

Em comparação com anos anteriores, o Brasil se manteve estável em relação ao último ranking do IDH. Isso ocorre porque o novo relatório atualizou números de 2014, divulgados pelo Pnud em dezembro de 2015.

Com isso, o IDH do Brasil em 2014 foi levemente revisado para baixo, passando de 0,755, divulgado na época pela ONU, para 0,754 no atual documento, o mesmo índice obtido em 2015.

Se não tivesse havido essa revisão, o Brasil teria perdido quatro posições no ranking, já que havia ficado no 75° lugar no estudo anterior. Mas no atual relatório, a classificação do Brasil em 2014 foi rebaixada para 79°, a mesma obtida em 2015.

Ou seja, na prática, o Brasil já deveria ter perdido quatro posições no ranking de IDH no estudo publicado no final de 2015, em razão da queda na renda per capita mais acentuada do que o estimado na época.

A renda bruta per capita no Brasil (em paridade de poder de compra) que havia sido divulgada em 2015 era de US$ 15.175 (referente a 2014). No atual relatório, após revisão, ela foi reduzida para US$ 14.858, informou a ONU à BBC Brasil.

Em 2015, de acordo com o documento divulgado dia 21 de março, a renda bruta per capita dos brasileiros caiu novamente, para US$ 14.145.

O Pnud informou à BBC Brasil que os dados do documento desta terça-feira não podem ser comparados com os números divulgados em relatórios anteriores, já que eles foram revisados no relatório deste ano. Outros países também tiveram suas estatísticas alteradas.

Obter os números definitivos de dados como esperança de vida, PIB e renda per capita pode levar um longo período. Eles também mudam em função da evolução da população, ressalta o programa da ONU.

“Agências nacionais e internacionais revisam e aperfeiçoam permanentemente suas séries de dados. Os números relacionados ao desenvolvimento humano, incluindo os valores e rankings do IDH, não são comparáveis aos das edições anteriores”, afirma a ONU.

No caso do Brasil, apenas a renda per capita foi revisada para baixo. Os números dos demais critérios que compõem o IDH do estudo anterior foram mantidos. De acordo com o novo relatório, houve, portanto, leve aumento na esperança de vida da população, que passou de 74,5 para 74,7 anos.

O país com a pontuação mais próxima de 1 tem o melhor desempenho. É o caso da Noruega, primeira colocada no ranking, com Índice de Desenvolvimento Humano de 0,949.

A Austrália e a Suíça empatam no segundo lugar, com 0,939. O pior resultado do estudo é o da República Centro-Africana, com IDH de 0,352.

A Argentina (45° posição, com IDH de 0,827) e o Chile (38° da lista, com 0,847) integram a categoria mais elevada, de desenvolvimento humano “muito alto”. O Brasil está no grupo de países com desenvolvimento humano “alto”.

Apesar da estagnação do Brasil nos dois últimos anos, o país melhorou sete posições no ranking do IDH no período de 2010 a 2015, segundo a ONU.

As diferenças na expectativa de vida, na educação e na renda no Brasil fazem com que o IDH registre uma perda de 25,6% quando ajustado à desigualdade no país. Isso porque um país pode ter um IDH elevado, mas se houver muita desigualdade, o índice pode valer menos.

De acordo com o Pnud da ONU, apesar de progressos nos últimos 25 anos em relação ao desenvolvimento humano, a pobreza extrema e a exclusão persistem na América Latina e Caribe e em outras regiões do mundo.

O relatório afirma que uma entre cada três pessoas no mundo ainda vive em baixos níveis de desenvolvimento humano.

A América Latina e Caribe possuem níveis elevados de desenvolvimento humano quando comparados a outros países emergentes. Mas quando ajustado em função da desigualdade, o IDH da região sofre uma redução de 25%, principalmente devido à desigualdade de renda.

O estudo destaca que países desenvolvidos também enfrentam pobreza e exclusão social, com mais de 300 milhões de pessoas vivendo em condições de pobreza relativa, sendo mais de um terço crianças.

O desenvolvimento humano de todos não é um sonho. É um objetivo realizável”, diz o documento.

Entre as recomendações do Pnud estão políticas para aumentar oportunidades para as mulheres, garantir acesso à Justiça, promover proteção social e discriminação positiva para minorias e pessoas com necessidades especiais, além de programas para enfrentar mudanças climáticas e crises sanitárias, como o caso da epidemia do vírus zika em países como o Brasil.

Fonte: BBC Brasil
  Data de publicação:  
  Tags:  

sexta-feira, 24 de março de 2017

AO TSE, MARCELO ODEBRECHT DIZ QUE DILMA SABIA DE TODAS AS DOAÇÕES POR CAIXA 2

 
Marcelo e Dilma   Foto: Giuliano Gomes

G1.com /Brasília
O empresário Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira Odebrecht, afirmou em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no início de março que a ex-presidente Dilma Rousseff sabia da "dimensão" das doações por meio de caixa 2 feitas pela empresa à campanha da petista à reeleição.

A informação foi divulgada pelo site "O Antagonista" e confirmada posteriormente pela TV Globo.

O executivo falou ao TSE como testemunha nas ações que tramitam no tribunal pedindo a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer por suposto abuso de poder político e econômico na eleição presidencial de 2014.

Em nota, a ex-presidente Dilma negou as informações, chamou a declaração de "leviana" e pediu que o empresário comprove o que disse ao tribunal (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem). 

Ao ser questionado pelo juiz auxiliar Bruno César Lorencini sobre se teria conversado com Dilma a respeito da campanha de 2014, Marcelo Odebrecht negou.

Ele, porém, disse que a então presidente e candidata à reeleição sabia da "dimensão" das doações e que os pagamentos não constavam da prestação de contas do PT.

"A Dilma sabia da dimensão da nossa doação, e sabia que nós éramos quem doá... quem fazia grande parte dos pagamentos via caixa dois para [o marqueteiro] João Santana. Isso ela sabia", disse Odebrecht no depoimento.



Questionado novamente sobre as doações, dessa vez pelo ministro Herman Benjamin, Marcelo Odebrecht afirmou: